Método Montessori e a relação com os brinquedos

Uma verdade indiscutível para todo ser humano é que passamos a vida toda aprendendo. Aprendemos a ser, a fazer e vamos desenvolvendo novas habilidades de acordo com nossa idade, tanto na escola quanto em casa.

Mas como será que esse processo de aprendizagem acontece? Como podemos potencializá-lo, otimizá-lo ou mesmo torná-lo mais lúdico e menos desgastante?

Bom, um método que certamente revolucionou a forma de desenvolvimento infantil – e que com certeza fará você se encantar por ele – foi o método Montessori.

Criada pela educadora, médica e pedagoga italiana Maria Montessori, essa nova abordagem defende o poder do desenvolvimento livre e espontâneo de cada ser humano. Para isso, não importa tanto o material e/ou a prática, mas sim a possibilidade de libertar a verdadeira natureza do indivíduo, para que essa natureza possa ser observada, estudada e compreendida.

De acordo com Montessori, a desenvoltura da educação de uma criança tem como base a sua própria forma de ser, ou seja, sua natureza e essência puramente em desenvolvimento, e não ao contrário como muitos outros métodos empregam, ditando quando será a hora certa para uso de determinado método e brinquedo.

Portanto, apesar de reconhecer que as crianças possuem, sim, determinadas fases de desenvolvimento, onde comportamentos e aprendizados são específicos para aquela idade, um dos diferenciais de Montessori sempre foi afirmar que nunca podemos esquecer a individualidade de cada criança ou anulá-la, colocando-as em caixas previamente definidas, como se todos os seres de determinada idade devessem estar exatamente na mesma situação de desenvolvimento, apenas levando-se em conta fatores biológicos.

É preciso que se dê atenção à fase do desenvolvimento que a criança está passando e observar suas interferências individuais e ambientais, conciliando técnicas e expectativas que estejam realmente de acordo com o ambiente que as cerca e com o perfil de cada um.

Para Montessori, existem seis pilares que são essenciais para o desenvolvimento da criança:

  • Autoeducação
  • Educação como Ciência
  • Educação Cósmica
  • Ambiente Preparado
  • Adulto Preparado
  • Criança Equilibrada

E em se tratando de crianças e desenvolvimento infantil, não podemos nunca descartar os brinquedos e as brincadeiras, que fazem parte do mundo deles desde sempre e são partes fundamentais em todo o processo de aprendizagem, principalmente durante a primeira infância.

Na visão montessoriana, por exemplo, os brinquedos mais indicados são aqueles fabricados em materiais naturais, que permitem explorar diferentes temperaturas, texturas e cores, sempre de forma orgânica. Isso porque esses materiais ajudam a deixar a criança mais próxima da realidade, com métodos que estimulam os seus sentidos como um todo.

Também é possível encontrarmos jogos montessorianos que despertam a curiosidade da criança através do brincar e ajudam a desenvolver o raciocínio lógico, a criatividade e habilidades de comunicação social.

No entanto, a abordagem montessoriana também afirma que esses brinquedos e jogos, embora importantes, não devem substituir totalmente pequenas experiências sensoriais gratuitas e simples, como o prazer de um banho de chuva e o contato com a terra. A liberdade do aprendizado da criança está em, justamente, mesclar essas realidades e extrair o que de melhor elas têm a oferecer.

Com o método, nós adultos podemos aprender a observar mais e interferir menos nas brincadeiras e decisões das crianças, tornando-nos meros auxiliares do processo. E dessa forma, entendermos que, no final, cada criança possui um tempo diferente para aprender e entender algo. E deixá-las livres para tomar suas decisões por si próprias, é a melhor maneira de ter um leve e bom caminho de crescimento humano.

Gostou do método Montessoriano e quer saber mais sobre ele? Então confira nosso texto sobre as principais características que devem ser buscadas nos brinquedos para quem deseja iniciar essa abordagem em casa.